Tecnologia aplicada à Alimentação explicada por Lorenzo Pastrana

Novos processos e (nano) tecnologias biológicas disruptivas a emergir na alimentação foi a temática central que marcou a intervenção de Lorenzo Pastrana na Conferência “O Futuro da Alimentação: Sustentabilidade dos sistemas num mundo em transformação”.

Segundo o responsável pelo Departamento de Ciências Vivas do International Iberian Nanotechnology Laboratory, a tecnologia pode contribuir para uma melhor alimentação no futuro em 3 vertentes principais – personalização, sustentabilidade e emoção.

Relativamente à personalização, Pastrana defende que a tecnologia tem a capacidade de adaptar os alimentos às necessidades nutricionais de cada pessoa. Assim, será possível, por exemplo, reduzir em 50% a quantidade de açúcar ou sal nos alimentos mantendo o seu sabor intacto ou até desenvolver alimentos mais ricos em ferro e cálcio para a população idosa sem alteração no seu sabor.

O desperdício de plástico é um dos maiores problemas da indústria alimentar identificado pelo orador, que pode ser agora resolvido. Existem tecnologias capazes de criar películas e embalagens de plástico orgânico feito a partir de produtos naturais. Pastrana reconhece que isto eliminará qualquer contaminação presente em alimentos, garantindo a segurança e confiança alimentar.

A última vertente mencionada foi a emoção. De acordo com Lorenzo Pastrana, o consumidor atual despertou um grande interesse em conhecer a origem dos produtos e marcas que consome. Através da tecnologia, será possível conhecer o ADN de cada alimento e analisar os seus verdadeiros constituintes.