Categoria: Notícias

Multinacionais não fazem o suficiente para tornar produtos saudáveis

  • Mai 29
  • 0
  • marcelo

Segundo a Fundação Access to Nutrition, as multinacionais alimentares não estão fazer o suficiente para tornar os seus produtos mais saudáveis.  As melhores práticas são apontadas à Nestlé, Unilever e Danone. 

De acordo com o Global Access to Nutrition Index, as 22 maiores multinacionais alimentares contribuem, de algum modo, para problemas como a obesidade e má nutrição. Apesar de muitas empresas reclamarem que os seus produtos se tornaram mais saudáveis, a análise a 23 mil referências em nove países mostrou que apenas um terço pode, efetivamente, ser designado de saudável. 

O ranking é liderado pela Nestlé, com um desempenho acima da média em todas as categorias e melhorias em quase todos os domínios. Seguem-se Unilever, Danone e FrieslandCampina, esta última com uma subida de quatro lugares devido a uma abordagem de marketing mais responsável. 

Nove empresas receberam uma classificação de cinco valores ou mais, em 10 possíveis, o que compara com as apenas duas em 2016. O índice médio também melhorou, de 2,5 valores para 3,3.

Fonte: Grande Consumo 

FNA e LIDL organizam conferência “Alimentação Sustentável”

  • Mai 28
  • 0
  • marcelo

A APED – Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição, a AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, a CAP – Agricultores de Portugal, e a FIPA – Federação das Indústrias Portuguesas Agroalimentares e PortugalFoods, membros do Executive Board do Food & Nutrition Awards (FNA), em parceria com o Lidl, organizam conferência sobre “Alimentação Sustentável ”, que decorre no próximo dia 6 de junho, pelas 14:30 horas, no auditório Scalabis do CNEMA, em Santarém.

Contando com um painel de especialistas de diversas áreas – Saúde, Produção, canal HORECA, Políticas Públicas – irão estar em destaque temas relacionados com os atuais desafios alimentares, num contexto global de mudança ambiental e social, marcado pela crescente preocupação com a alimentação saudável. Em debate vão estar ainda as práticas para o futuro mais sustentável dos sistemas alimentares e os desafios da inovação para o desenvolvimento do setor agroalimentar nacional.

No âmbito da Conferência, decorrerá uma atividade de degustação de produtos nacionais confecionados pelo Chef do Lidl.

Inscreva-se, aqui. 

 

Consumidores querem mais oferta de produtos de alimentação saudável

  • Mai 25
  • 0
  • marcelo

Os consumidores portugueses estão mais conscientes da importância de ter hábitos saudáveis de alimentação, mas ainda existe uma discrepância entre a vontade de adotar uma dieta saudável e os produtos oferecidos no mercado.

A maioria dos portugueses (69%) considera ter uma alimentação de qualidade. Essa proporção aumenta para 90% entre os praticantes de exercício físico, segundo dados divulgados pela Cetelem. Entre os 25 e os 35 anos, cerca de 76% dos portugueses manifestam ter preocupações com a sua alimentação.

No entanto, apenas cerca de um terço dos consumidores considera que na compra de produtos de mercearia mais de metade do total da oferta satisfaz a necessidade que têm de adotar uma alimentação saudável.

Dados revelados pelo Cetelem indicam ainda que 78% dos consumidores compram produtos que consideram benéficos para a sua alimentação em supermercados e hipermercados. Apenas 16% dos portugueses optam por fazê-lo em lojas especializadas em alimentação saudável. Já dez por cento dizem efetuar as compras em feiras ou mercados.

 

Fonte: HiperSuper

Food & Nutrition Awards premeia na categoria de Indústria 4.0

  • Mai 22
  • 0
  • marcelo

A 9ª Edição do Food & Nutrition Awards (FNA), uma distinção nacional que premeia negócios e projetos inovadores no setor agroalimentar em prol da sustentabilidade, está a receber candidaturas em várias categorias até ao final do mês de maio.

Indústria 4.0, uma das categorias da iniciativa, visa galardoar projetos, produtos e/ou serviços no âmbito do setor agroalimentar que através do desenvolvimento de tecnológicas cibe físicas permitam mudanças disruptivas nos modelos de produção e negócio, permitindo que pessoas, máquinas, equipamentos, sistemas logísticos e produtos comuniquem e cooperem diretamente.

O objetivo será promover a transformação digital através de processos de produção e de certificação de segurança alimentar inovadores, bem como hábitos alimentares e/ou estilos de vida saudáveis e a sustentabilidade em todas ou nalguma das suas vertentes.

Para além desta, as categorias a concurso na 9ª edição do FNA são Educação Alimentar, Investigação & Desenvolvimento, Produto Inovação e Sustentabilidade Alimentar.

A edição de 2018 do FNA é assinalada por um conjunto de iniciativas e temáticas relacionadas com a Alimentação do Futuro, que pretendem promover a consciencialização para a importância de uma sociedade sustentável marcada pela inovação e consciência social. O impacto das novas tecnologias na transformação do setor alimentar, a criação de novos trabalhos, o aparecimento de indústrias emergentes do futuro e a revolução da cadeia alimentar são temas que vão estar em destaque no Food & Nutrition e que pretendem desafiar o setor este ano.

As candidaturas devem ser submetidas até 31 de maio de 2018, em formato digital, através do preenchimento do formulário de candidatura, disponível em: http://candidaturas.gpa.pt/fna. Estão abertas a todas as pessoas singulares e coletivas, nomeadamente, Administração Pública, Associações Setoriais, Autarquias, Cidadãos em nome individual, Empresas, Organizações Não-Governamentais, Profissionais em nome individual e universidades.

Excesso de peso e obesidade infantil baixaram entre 2008 e 2016

  • Mai 21
  • 0
  • marcelo

As prevalências de excesso de peso e obesidade infantil diminuíram entre 2008 e 2016, de acordo com dados do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA).

Os dados do sistema de vigilância que analisa o estado nutricional infantil (COSI Portugal), divulgados esta sexta-feira a propósito do Dia Nacional e Europeu da Obesidade, que se assinala no sábado, mostram que, neste período, registou-se uma redução de 3,6% de obesidade e de 7,2% do excesso de peso nas crianças entre os seis e os oito anos. Em 2016, 11,7% das crianças portuguesas eram obesas e 30,7% tinham excesso de peso.

De acordo com um estudo que envolveu 6.745 crianças de 230 escolas do 1.º ciclo de todo o país, a obesidade infantil foi mais prevalente nas crianças com oito anos (13,9%) e na região norte do país (33,9%), na Madeira (31,6%) e nos Açores (31%).

O Algarve foi a região com menor prevalência de obesidade infantil (21,1%).

O estudo indica que os rapazes tinham uma maior prevalência de obesidade (12,6%) do que as raparigas (10,9%), enquanto as raparigas tinham uma maior prevalência de excesso de peso (31,6%), contra 29,8% dos rapazes.

Analisando os hábitos alimentares, o estudo verificou que as crianças consomem diariamente fruta (63,3%), sopa (56,6%), legumes (37,7%), carne (17,3%) e peixe (9,8%).

A maioria (88,7%) das crianças consome até três vezes por semana pizas, batatas fritas, hambúrgueres, enchidos, 86,8% comem rebuçados, gomas ou chocolate, 83,3% batatas fritas de pacote, folhados e pipocas, 75,1% biscoitos, bolachas doces, bolos e donuts e 65,3% refrigerantes açucarados.

Dois terços das crianças praticavam atividade física três ou mais horas por dia durante o fim de semana e 76,6% eram transportados de automóvel para a escola.

Analisando os comportamentos sedentários, o estudo revelou que 54% jogavam jogos eletrónicos uma a duas horas por dia durante o fim de semana e 75,5% uma a duas horas por dia durante a semana.

O COSI Portugal está integrado no sistema europeu de vigilância nutricional infantil, no qual participam 40 países da Região Europeia da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Fonte: Rádio Renascença 

 

Intolerância à lactose leva jovem a criar negócio de milhões

  • Mai 20
  • 0
  • marcelo

A No Cow é o 8º negócio de Daniel Katz que tem apenas 21 anos. No ano passado faturou 8 milhões de euros.

Daniel Katz é um jovem com 21 anos e desde os 12 que tem olho para o negócio. Natural de Michigan, nos Estados Unidos, é dono da No Cow, que totalizou em vendas brutas no ano passado 10 milhões de dólares (8 milhões de euros).

A No Cow, que é um negócio dedicado a produtos como barras, bolachas e suplementos com elevado teor de proteína, baixa quantidade de açúcar, vegan e sem glúten, está disponível em mais de 14 mil lojas nos Estados Unidos.

Este era um negócio pequeno até fevereiro do ano passado, altura em que esta que é a oitava empresa de Daniel, recebeu um investimento da General Mills, uma das 10 maiores empresas na área alimentar do mundo, e de uma outra empresa de Chicago, a 2X Partners. 

Fonte: Dinheiro Vivo 

Portugal pela primeira vez no ECOTROPHELIA Europa

  • Mai 18
  • 0
  • marcelo

Pela primeira vez, Portugal está na corrida por um lugar no pódio da maior competição de eco-inovação alimentar: O Prémio ECOTROPHELIA Europa. A representação nacional está nas mãos da equipa As Vianences e do produto SALAMAR – Salame do Mar, uma alternativa à charcutaria tradicional Portuguesa, constituído por peixe capturado nas águas frias do Atlântico e por legumes frescos.

O ECOTROPHELIA Europa decorre, este ano, na Food Matters Live, em Londres, nos dias 21 e 22 de novembro. Além de Portugal, outros 15 países estarão representados, sendo eles a Alemanha, Bélgica, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Espanha, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Islândia, Reino Unido, Roménia e Sérvia. A criatividade dos futuros profissionais do setor agroalimentar fascina anualmente a indústria alimentar com o desenvolvimento de produtos centrados no consumidor e na sustentabilidade. Ariane Andres, do Nestlé Research Center, preside o júri onde Portugal estará também representado por Vergílio Folhadela, Embaixador do Prémio Ecotrophelia Portugal 2017.

Aos vencedores serão entregues prémios na ordem dos 6000€, 4000€ e 2000€, aos primeiro, segundo e terceiro lugares, respetivamente, mas também uma menção honrosa “Coup de Coeur Innovation”. Nesta edição, será ainda atribuído um novo prémio “Estratégia de Comunicação”, no âmbito no programa europeu “Food for Growth”, no montante de 500€.

Esta é a segunda ronda de um prémio que foi importado para Portugal pela PortugalFoods, em co-organização com a FIPA (Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares), para premiar a inovação do meio académico no setor agroalimentar. O objetivo do Ecotrophelia é reunir estudantes, professores, investigadores e profissionais do setor, de forma a criar uma rede de formação de excelência em inovação alimentar, assim como promover uma melhor utilização dos recursos, aproximar o meio académico da indústria e abrir portas para o mercado de trabalho. Uma iniciativa que decorreu pela primeira vez em território nacional e que a 6 de setembro fechou a 1ª Edição com a Entrega de Prémios da competição nacional.

Organizado pela Câmara de Comércio e da Indústria de Vaucluse, com o apoio da ANIA – National Association of Food Industry e das European Food Federations, o ECOTROPHELIA Europa, desde 2011, já deu origem a 115 competições nacionais, envolveu 550 universidades e mais de 3500 estudantes. Ao todo, mais de uma centena de produtos apresentados na competição europeia já foram produzidos e chegaram ao mercado.

Fonte: Portugal Foods 

Apicultura com produção de mel de qualidade em risco

  • Mai 18
  • 0
  • marcelo

O alerta surge da associação de defesa ambiental Quercus: segundo apicultores da Serra do Caramulo, a empresa Altri Florestal lançou o aviso de que ainda esta semana ia começar a pulverizar os seus eucaliptais com o pesticida EPIK, na União de Freguesias de São João do Monte e Mosteirinho, no concelho de Tondela.

 Explica a Quercus em comunicado, que o EPIK SL é um insecticida sistémico do grupo dos neonicotinóides, à base de acetamiprida e que atua por contacto e ingestão. Atua no sistema nervoso como antagonista do receptor nicotínico da acetilcolina e está homologado para aplicação em eucalipto, para controlar a praga do gorgulho do eucalipto (Gonipterus platensis). Também pretende pulverizar com o insecticida EPIK SG que é nocivo e perigoso para o ambiente.

Apesar de se referir que ambos os produtos comerciais são isentos de classificação para as abelhas, não constituindo perigo para estes insetos úteis quando usados nas doses e concentrações para os quais de encontram autorizados, existem receios de apicultores que tem apiários na zona, dado o risco de utilização de pesticidas neonicotinóides para a abelha melífera, assim como para outros polinizadores.

Segundo esta associação, o Plano de Acção Nacional para o controlo das populações de Gonipterus platensis apresentava um horizonte de atuação de 4 anos e meio (2011-2015), pelo que actualmente, não existe um suporte regulamentar que justifique as pulverizações com pesticidas para controlo do gorgulho do eucalipto.

Por outro lado, para além desta luta química, nos últimos anos as empresas de celulose avançaram com a luta biológica, utilizando um insecto parasitóide exótico para combater a praga do Gorgulho do eucalipto, evitando assim os possíveis efeitos nefastos decorrentes do uso deste tipo de pesticida

“A utilização de luta química para controlo de uma praga associada às monoculturas de eucalipto em áreas serranas, é reveladora da insustentabilidade da cultura nas condições existentes”, defendem.

Um estudo recente da Escola Superior Agrária de Coimbra demostrou que a mortalidade nas abelhas é superior quando a aplicação deste insecticida é feita por contacto e que a expressão genética das abelhas era alterada, pela ausência de proteínas na zona que contém o insecticida (EPIK).

De recordar que no passado dia 27 de Abril, a maioria dos Estados-Membros apoiou a proposta da Comissão Europeia de proibir, até ao final do ano, todas as utilizações ao ar livre de 3 outros pesticidas neonicotinóides causadores da mortalidade de abelhas.

Fonte: Green Savers

Ana Teresa Lehmann: “A Indústria 4.0 é uma oportunidade para as empresas portuguesas e uma prioridade do Governo”

  • Mai 17
  • 0
  • marcelo

A Secretária de Estado da Indústria falou com o Food & Nutrition Awards sobre a imparável quarta revolução industrial que está a criar um mundo de oportunidades para as empresas e startups e sobre a nova realidade que se tornou mais do que um desafio tecnológico, um desafio humano. 

Conseguimos imaginar os nossos métodos de trabalho nos próximos cinco, dez, quinze anos? Uma certeza apenas: tudo será mais digital. Os processos mais tecnológicos e integrados, as empresas e as fábricas mais inteligentes. É a indústria do futuro.

Mais do que um programa, a Indústria 4.0 é uma nova revolução industrial. Não podemos fechar os olhos e deixar de ver os avanços tecnológicos, as exigências do mercado, a personalização de produtos, a inovação no serviço ao cliente, o detalhe na análise de dados. Automação inteligente, cloud computing e sistemas interligados, transversais nos processos de produção, na cadeia de valor e na relação com o cliente. Temos de ver, acompanhar e atuar.

A Indústria 4.0 é, por isso, uma oportunidade para as empresas portuguesas e uma prioridade do Governo. É com orgulho que noto como o nosso tecido empresarial está dedicado à modernização das suas empresas, investe em tecnologia e inova. Muitas das indústrias consideradas tradicionais são, precisamente, das mais inovadoras.

A revolução é tecnológica, mas o grande desafio está nas pessoas – conseguir recrutar as mais competentes e qualificadas, e formar as já existentes, que têm de atualizar as suas competências e ganhar novas capacidades. O sucesso das empresas na indústria do futuro depende da sua capacidade de formar, captar e reter talento.

Formação e capacitação de recursos humanos é precisamente um dos seis eixos de atuação do programa Indústria 4.0. A par de cooperação tecnológica, startup i4.0, financiamento e apoio ao investimento, internacionalização, adaptação legal e normativa.

Através destes eixos, o Governo apoia esta transformação digital das empresas portuguesas, tem já mais de 78% das medidas executadas ou em execução, e lançou vários instrumentos de financiamento no âmbito do Portugal 2020 para apoiar projetos i4.0, com uma dotação total que já ultrapassa os 700 milhões de euros.

A Indústria 4.0 está a acontecer. Em Portugal e no mundo. E as empresas portuguesas têm de posicionar-se na linha da frente desta nova revolução. O futuro da indústria é hoje.

 

Ana Teresa Lehmann, Secretária de Estado da Indústria

 

Empresa da indonésia lança saco totalmente biodegradável

  • Mai 15
  • 0
  • marcelo

A empresa indonésia Avani Eco, sedeada no Bali, lançou um saco de plástico biodegradável feito de mandioca.

O saco de plástico é totalmente biodegradável e dissolve-se na água.

A ideia da empresa é dar uma resposta ao excesso de poluição originado pelo plástico na Indonésia.  Os níveis de poluição são tão elevados que o exército  foi chamado já várias vezes a ajudar a limpar o lixo originado. 

Fonte: HiperSuper