10,1% das famílias portuguesas afirma que tem carências alimentares

No Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, as famílias portuguesas indicam a  falta de recursos financeiros como razão para não fornecer alimentos suficientes a todos os seus membros.

Tendo em conta o questionário realizado, os inquiridos afirmam não conseguir comprar os alimentos necessários para toda a família, uma vez que os seus rendimentos não são suficientes. 2,6% destas famílias indicaram, ainda, carências alimentares moderadas ou graves, referindo que ingerem poucos alimentos ou que “sentem fome”.

A situação agrava-se quando as famílias possuem membros com idades inferiores a 18 anos. Em Portugal, 11,4% das famílias com problemas alimentares assumem ter a seu cargo menores, sublinhando que os mesmos não fazem uma alimentação saudável, adequada e variada. Analisando geograficamente, conclui-se que os maiores problemas de carência alimentar registam-se nas regiões do Alentejo, Madeira e Açores.