Portugal Sou Eu

24 Jul 14

Marca "Portugal Sou Eu" será internacionalizada

A marca "Portugal Sou Eu" vai ser internacionalizada com a designação "Portugal", com o objetivo de promover os produtos, serviços e talentos portugueses nos eventos a realizar nos mercados externos. Esta medida foi anunciada pelo secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade, Pedro Gonçalves, que justificou que "é importante ter uma marca Portugal nos mercados internacionais e que, tendo em conta o forte dinamismo das empresas portuguesas, é fundamental atuar em conjunto, criando uma unidade e uma marca comum". Este programa é agora alargado para difundir a marca “Portugal” internacionalmente, dois anos após a criação do programa "Portugal Sou Eu", que visa valorizar a produção nacional no mercado interno e promover a competitividade e o emprego nas empresas nacionais, em particular nas pequenas e médias empresas (PME).

frutos_secos

24 Jul 14

Entidades criam Centro Nacional de Competências dos Frutos Secos

Cerca de 30 entidades formalizaram, em Bragança, o acordo para a criação do Centro Nacional de Competências dos Frutos Secos, com o objetivo de promover a investigação e inovação no setor. As cerca de 30 entidades, entre associações do setor, empresas e instituições académicas, vão trabalhar em conjunto toda a fileira - "desde a produção, questões ligadas à sanidade, nomeadamente doenças como a tinta, o cancro ou a recente ameaça da vespa do castanheiro, ou fenómenos tecnológicos na área da comercialização”, revelou o secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar. Nuno Vieira e Brito justificou a criação do centro nesta região, com o facto de Trás-os-Montes representar 80% da produção nacional de castanha e destacar-se também na produção de amêndoa e noz.

Cantina

24 Jul 14

Escolas europeias com normas para garantir menus equilibrados

De acordo com estudo publicado pelo Centro Comum de Investigação da UE, os países europeus reconhecem a importância das refeições escolares na saúde e desenvolvimento das crianças, e têm regras para alimentação saudável nas escolas, como a proibição de vender bebidas açucaradas ou o tamanho de doses. Esta pesquisa alerta para a obesidade infantil e fez pela primeira vez um levantamento das políticas alimentares das escolas europeias, tendo concluído que mais de 90% têm normas para garantir menus equilibrados, 76% incluem regras para o tamanho das doses e 65% definem o valor nutricional das refeições. As recomendações relativas à disponibilização de bebidas são muito comuns (65 a 82%) e a maioria dos países é a favor do acesso gratuito a água e à limitação ou proibição de refrigerantes açucarados.  As máquinas de venda automática são objeto de restrições em cerca de metade dos países proíbem esta alternativa de fornecimento de alimentos.