Dieta

14 Aug 14

Turismo do Algarve lança passatempo para promover dieta mediterrânica

Região do Turismo do Algarve (RTA) anunciou o lançamento de um passatempo fotográfico, cujo tema será a dieta mediterrânica, que integra a lista do património mundial da UNESCO desde 2013. Em parceria com a Direção Regional de Cultura do Algarve, a RTA desafia os participantes a enviar as suas imagens até ao próximo dia 29 de agosto. As imagens a concurso serão apresentadas na páginawww.facebook.com/VisitAlgarve, para que sejam votadas entre 8 a 19 de setembro pelos utilizadores da plataforma, através da atribuição de ‘gostos’, correspondendo a uma ponderação de 30% sobre o resultado final, sendo os restantes 70% da responsabilidade do júri. Para mais informações, consulte o site. 

Feijão Verde

14 Aug 14

Universidade quer mais proteína vegetal na alimentação dos portugueses

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro está a desenvolver um projeto de investigação no âmbito da dieta mediterrânica, que visa utilizar a semente do feijão-verde como fonte de proteína para a confeção de sopas, saladas ou outros acompanhamentos. “Aquilo que se pretende é, utilizando o que nós temos como património imaterial da humanidade, que é a dieta mediterrânica, voltar a assumir as leguminosas como uma fonte de proteínas”, revela o coordenador do estudo, Carlos Ribeiro. O docente e investigador da Escola de Ciências Agrárias da UTAD avança que o produto terá “tempos de cozedura relativamente curtos”, podendo surgir como um “produto previamente cozido”, à semelhança do que acontece com as sementes maduras. 

Nuno Vieira e Brito

14 Aug 14

Embargo russo tem “impacto relevante” nas exportações agroalimentares portuguesas

A proibição imposta pela Rússia à importação de produtos agroalimentares europeus vai ter um “impacto relevante” para Portugal, já que este é o 5º mercado dos produtos nacionais, admitiu o secretário de Estado da Agricultura. Nuno Vieira e Brito sublinhou que a Federação Russa é o 15.º destino das exportações agroalimentares, representando cerca de 50 milhões de euros anuais, pelo que as empresas portuguesas vão ressentir-se das sanções. A expetativa de crescimento das exportações para aquela região era de 10%, mas o Governo pretende agora ajudar as empresas a diversificar os mercados, depois de a Rússia ter decretado a proibição de importar produtos alimentares de países europeus e dos Estados Unidos, em resposta às sanções que lhe foram impostas, escreve o Jornal de Negócios.